Tendo sido atribuída uma Menção Honrosa, na categoria de Melhor Museu Português, pela APOM, o Museu Municipal de Almeirim é um espaço de cultura e tradição onde pode viajar no tempo e redescobrir a história de um povo à beira Tejo plantado.

Having won an award for Honourable Mention for Best National Museum, by APOM, the Municipal Museum of Almeirim is a place of culture and tradition where you can travel back in time and rediscover the history of a people on the verge Tagus planted.

Plano de Actividades 2018/2019 - brevemente

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Peça do Mês


Biface
Biface obtido de seixo rolado de forma sub-triangular, com talhes verticais e oblíquos, no reverso e no anverso.
Nº Inventário: 79

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

II Jornadas 2011 - Amigos do Tejo

TEMA: O Tejo e a Poesia
DIA: 24 Setembro de 2011
LOCAL: Constância: Casa - Memória de Camões em Constância

“E vós, Tágides minhas, pois criado
Tendes em mi um novo engenho ardente,
Se sempre em verso humilde celebrado
Foi de mi vosso rio alegremente,
Dai-me agora um som alto e sublimado,
Um estilo grandíloco e corrente,
Porque de vossas águas Febo ordene
Que não tenham enveja às de Hipocrene.

Dai-me ua fúria grande e sonorosa,
E não de agreste avena ou frauta ruda,
Mas de tuba canora e belicosa
Que o peito acende a cor o gesto muda.
(…)”
(Luís de Camões, I, 4 e 5)

O Tejo é um rio cheio de poesia!
O rio Tejo inspirou muitos artistas, nomeadamente os poetas. A poesia do Tejo reflecte vivências de actividades de várias épocas que se desenvolveram associadas ao rio. Foram muitos os autores de poemas que se inspiraram no Tejo: arrais, carpinteiros de machado, calafates, valadores, pescadores, moleiros, agricultores da borda de água, escritores…
A fertilidade do Tejo está nos campos que banha e rega e na criatividade que promoveu ao longo da história.
Esta Jornada, que se realiza em Constância, pretende chamar à atenção para a obra poética inspirada na paisagem tagana e, ao mesmo tempo, celebrar o “Património e a Paisagem” tema das Jornadas Europeias do Património.
Luís de Camões e Alves Redol através do “Cancioneiro do Ribatejo” inspiraram-nos para a organização desta Jornada.

PROGRAMA
10H00 – Recepção dos participantes.
10H30 -  Sessão de abertura – Presidente da Câmara Municipal de Constância e Presidente da Assembleia Geral da AAT.
11H00 – Apresentação do tema – António J. Maia Nabais (Presidente da AAT e museólogo).
11H30 – Mesa Redonda – Jorge Maximino (Professor do I. Piaget), Ana Maria Dias (Casa - Memória de Camões em Constância) João Cúcio Frada (Professor Universitário e autor de poesias), Armando Fernandes (escritor), Fernando Peralta (Director do Museu do Campo), Arménio Vasconcelos (Mestre em Museologia e autor de poesias), Carlos Vicente (Vila Nova da Barquinha). 
12H30 – Debate.
13H00 – Almoço livre.
14H30 – Luís de Camões e o Tejo –Ana Maria Dias (Casa - Memória de Camões em Constância)

15H00 – Miguel Torga e o Tejo – Arménio Vasconcelos (Mestre em Museologia e autor de poesias).

15H30 – Poesia do quotidiano – Fernando Peralta (Director do Museu do Campo).
16H00 - Intervalo.
17H15 - Leitura de poesia, nacional e estrangeira, sobre o Tejo.
17H30 - Debate.
18H00 – Encerramento.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Peça do Mês

Coluna
Elemento de arquitectura em pedra calcária destinado a receber as cargas verticais de uma obra de arquitectura (arco, arquitrave, abóbada), transmitindo-as à fundação.
Nº Inventário: 1345



terça-feira, 9 de agosto de 2011

Conhecer, Conservar, Valorizar - Um objectivo comum

Gravura «África», Inv. ML 6016

Foto: José Pessoa

O Museu de Lamego apresenta a exposição "Conhecer, Conservar, Valorizar" que tem por finalidade sensibilizar o público para um conjunto de obras que se impõem pela sua importância histórica, artística e estética, mas também pela urgência de uma intervenção de conservação e restauro. Encontra-se patente até 31 de Outubro de 2011.
Abarcando um horizonte cronológico que vai do século XIII ao XVIII, o conjunto vai ser apresentado de acordo com uma narrativa de modo a sublinhar-se, não apenas a sua relevância no contexto da arte portuguesa, mas também as suas principais vulnerabilidades e possíveis propostas de tratamento.
Num clima de festa e muita animação, haverá lugar à descoberta do sabor das memórias, através de apresentação de um serviço de cattering temático que abordará os diversos contextos históricos – medieval, renascentista e barroco – associados às peças em exibição, pela Escola de Hotelaria e Turismo de Lamego e crianças do Colégio da Imaculada Conceição que participaram no concurso A Minha Escola Adota um Museu, Palácio e da música do Ensamble de Guitarras do Conservatório de Música de Vila Real.
A iniciativa conta com a colaboração da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro, com o Colégio da Imaculada Conceição, Lamego e com o Conservatório Regional de Música de Vila Real.

Fonte: http://www.imc-ip.pt/

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Peça do Mês


 
Talha
Recipiente em chapa de ferro pintada de vermelho,  com tampa  e duas pegas, uma de cada lado, para armazenamento e transporte do azeite.
Nº Inventário: Dep. 2

quinta-feira, 30 de junho de 2011

terça-feira, 31 de maio de 2011

Peça do Mês


Urna funerária
Proto-história - Idade do Ferro
Recipiente de cerâmica destinado a recolher as cinzas dos defuntos.
Casal Branco, Almeirim.
Nº. Inventário: 164
CMA/MMA

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Festa dos Museus 2011 – Museu e Memória

O Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) associa-se mais uma vez às comemorações da Noite dos Museus – sábado 14 de Maio – e Dia Internacional dos Museus – 18 de Maio. O tema das comemorações em 2011 é MUSEU E MEMÓRIA. Os objectos contam a vossa história. Os museus e palácios do IMC estarão abertos gratuitamente nestas ocasiões e proporcionarão a todos os visitantes um conjunto de iniciativas muito diversificadas. O IMC convida todos os espaços museológicos portugueses, nomeadamente os integrados na Rede Portuguesa de Museus (RPM), a participarem activamente na Festa dos Museus 2011.
O mês de Maio tem uma relevância muito especial para os museus devido a duas importantes datas que têm lugar neste período: a Noite dos Museus e o Dia Internacional dos Museus.
- A Noite dos Museus, iniciativa proposta em 2005 pelo Ministério da Cultura e da Comunicação de França, realiza-se este ano a 14 de Maio, sábado anterior ao Dia Internacional dos Museus. As actividades culturais e festivas desenvolvem-se a partir das 18 horas até por volta da meia-noite.
- O Dia Internacional dos Museus, efeméride de grande tradição para o mundo dos museus desde o dia 18 de Maio de 1977, por proposta do ICOM – Conselho Internacional de Museus, será celebrado em 2011 sob o mote “Museus e Memória”, integrando actividades associadas a esta temática que incentivem os visitantes a (re)descobrir a sua memória individual e colectiva.

18 de Maio - Dia Internacional dos Museus

18 DE MAIO - DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS (2011)
O ICOM-Portugal incentiva os museus e os profissionais de museus a promoverem à volta do próximo 18 de Maio as iniciativas e os programas através dos quais possa ser celebrado o Dia Internacional dos Museus, assegurando que a este se associe o maior número possível de pessoas e se sensibilize o grande público sobre o papel dos museus no desenvolvimento da sociedade.
Organização internacional não governamental que desde 1946 representa os museus e o profissionais de museus, hoje o ICOM congrega cerca de 28 000 profissionais e 2000 museus, integrando 115 comités nacionais e 31 comités internacionais e abarcando, no seu conjunto, 137 países e territórios.
Instituído em 1977, o Dia Internacional dos Museus adopta em cada ano uma temática ou um lema específico, visando assim conferir um sentido universal às comemorações que, nos diferentes países e sob as mais diversas abordagens, reúnem públicos habituais de museus com novos visitantes e participantes ocasionais das iniciativas com que os museus assinalam este dia, de maneira inclusiva e, em regra, festiva.
Neste ano de 2011, o tema proposto pelo ICOM para as comemorações do 18 de Maio enfatiza a importância da memória ? Museu e memória: os objectos contam a vossa história. Retendo, activando e transmitindo memórias, os objectos incorporados nos museus serão legados às gerações vindouras como expressão do património natural e cultural da humanidade.
O trabalho que os museus levam a cabo em torno dos objectos e das memórias de que aqueles são suporte, a maneira como os museus registam essas memórias, as formas por que intervêm na transmissão e na construção de memórias, como as apresentam e as usam, conduzem-nos a inúmeras perspectivas.
Não basta que os museus detenham colecções de grande valor para as comunidades e as sociedades que as validam, ou que preservem e apresentem  de forma permanente objectos representativos da diversidade de culturas, dos ambientes dos povos ou das comunidades, dos seus países ou dos seus territórios.  Podemos questionar todas as formas possíveis dos museus e dos profissionais de museus serem actores de educação, de democratização e de desenvolvimento, contribuindo para sociedades que valorizem os seus patrimónios e por isso também participem mais na concepção e nos destinos dos museus.
Comemorando o 18 de Maio, assumamos também que a memória implica um universo de entidades culturais muito mais vasto do que a comunidade museológica pode proporcionar. Poderemos concretizar iniciativas e procurar meios de consolidar colaborações e parcerias com outras entidades, tais como bibliotecas, arquivos, centros culturais, universidades, laboratórios, entre tantas outras que estarão empenhadas em levar à prática um entendimento holístico das memórias e são capazes, tal como os museus, de trabalhar articuladamente em projectos de carácter comum ou transversal.
Na mesma linha de democratização dos museus e deles aproximar um número cada vez mais abrangente de públicos e utilizadores, comemora-se há alguns anos a Noite dos Museus, que tem agregado um número crescente de países europeus, a partir de uma iniciativa dos museus de França. Em 2011 a Noite dos Museus festeja-se a 14 de Maio e o evento ganhou tal relevância que este ano merece também o patrocínio do ICOM Internacional.


Peça do mês de Maio

Instituição/Proprietário: Câmara Municipal de Almeirim
Super Categoria: Etnologia
Categoria / Subcategoria: Actividades Lúdicas / Brinquedos
Denominação Habitual: Pistola (miniatura)
Identificação
Nº (s) de Inventário: 238
Descrição: Miniatura de pistola de secção rectangular talhada numa só peça de madeira. O cano é de formato rectangular, com o recorte do gatilho definido. A câmara apresenta dois destaques de secção semicircular de cortiça em cada uma das faces do cano.
Elemento de um conjunto: Não.
Identificação Técnica:
Matéria: madeira; cortiça.
Técnica: talhe.
Dimensões:
Altura: (cm) 10
Largura: (cm) 2,5
Espessura: (cm) 1,2
Conservação:
Estado: Razoável
Data: 14/01/2011
Intervenções de Conservação e Restauro: Não teve.
Datação:
Época/Período Cronológico: Século XX d. C.
Localização: Reservas.
Data: 14/01/2011

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios | 18 de Abril

Para assinalar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, celebrado a 18 de Abril, o ICOMOS – Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios – escolheu para 2011 o tema "Água: Cultura e Património".
Nesse âmbito, o IGESPAR em parceria com outras entidades culturais e científicas, em particular alguns museus e palácios do Instituto do Museus e da Conservação, irão realizar uma série iniciativas especiais nesta data. Para mais informações consulte http://www.ipmuseus.pt/pt-PT/iniciativas/actividades_imc/ContentDetail.aspx?id=3109

quinta-feira, 31 de março de 2011

Peça do mês de Abril

Instituição/Proprietário: Câmara Municipal de Almeirim
Super Categoria: Etnologia
Categoria / Subcategoria:  Actividades Lúdicas / Brinquedos
Denominação Habitual: Barco (miniatura)
Identificação
Nº (s) de Inventário: 231
Descrição: Miniatura de barco, constituído por um segmento de cortiça com formato elipsoidal representando o casco, escavado no interior onde encaixa outra peça da mesma forma de madeira. A metade do seu comprimento e disposto perpendicularmente, encontra-se um segmento rectangular de madeira, que representa o mastro, e cuja extremidade inferior é de secção circular. No mastro encontra-se fixo um pedaço de pano de forma triangular que simula a vela. A um terço do seu comprimento para um dos lados temos um pedaço de cortiça de forma cúbica com um pequeno canudo de ferro que simula um canhão; no outro terço do seu comprimento para o outro lado, temos outra peça de cortiça, com ameias e um prego com parte circular na extremidade que simulam o volante do barco. Na proa do barco temos um pequeno parafuso de argola que servirá para a passagem de um cordel.
Elemento de um conjunto: Não
Identificação Técnica:
Matéria: madeira; cortiça; ferro; pano.
Técnica: talhe.
Dimensões:
Altura: (cm) 13
Largura: (cm) 7
Comprimento: (cm) 18
Conservação:
Estado: Razoável
Data: 14/01/2011
Intervenções de Conservação e Restauro: Não teve.
Datação:
Época/Período Cronológico: Século XX d. C.
Localização: Reservas.

 

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Peça do mês de Março

Instituição / Proprietário: Câmara Municipal de Almeirim
Super Categoria: Etnologia
Categoria / Subcategoria:  Actividade Lúdicas/Brinquedos
Denominação: Espada (miniatura)
Identificação
Nº Inventário: 240
Descrição:  Miniatura de espada constituída a partir de dois segmentos de madeira: o punho e a lâmina, fixos um ao outro perpendicularmente por meio de dois pregos. A parte superior do segmento que representa a lâmina é trabalhada de forma a ser o cabo da espada; colocado paralelamente a este existe uma folha de chapa ressaltada, em forma circular que lhe dá a função de guarda-mão e que é fixa às peças de madeira através de pregos de ferro.
Elemento de um conjunto: Não.
Identificação Técnica: 
Matéria: madeira; chapa; ferro.
Técnica: talhe.
Dimensões
Altura: 17 cm
Largura: 6 cm
Comprimento: 3,2 cm (com o guarda-mão)
Conservação:
Estado: Bom
Data: 14/01/2001
Intervenções de Conservação e Restauro: Não teve.
Datação:
Época/Período Cronológico: Século XX d. C.
Localização: Reservas.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Peça do mês de Fevereiro

Instituição/Proprietário: Câmara Municipal de Almeirim
Super Categoria: Etnologia
Categoria / Subcategoria:
Actividades Lúdicas / Brinquedos
Denominação Habitual: Pião
Identificação
Nº (s) de Inventário: 205
Descrição: Pião de formato cónico, bojudo com eixo de ferro de madeira. Na parte superior tem uma pequena pega que serve para accionar o seu movimento giratório através de uma corda ou da simples força dos braços.
Elemento de um conjunto: Não.
Identificação Técnica:
Matéria: madeira; ferro.
Técnica: talhe.
Dimensões:
Altura: (cm) 7,5
Diâmetro: (cm) 5,5
Conservação:
Estado: Bom
Data: 14/01/2011
Intervenções de Conservação e Restauro: Não teve.
Datação:
Época/Período Cronológico: Século XX d.C.
Localização: Reservas.